1. – FOI ASSIM NO GRUPO VICENTINO:

Em 2001 Antonio Brunno se torna presidente da Conf. Santo Antonio de padua em substituição da consorcia Adriana de Fátima sua irmã.

Em 2015 o jovem já se torna um líder no meio vicentino, tanto jovem quanto adulto, onde passa a dirigir reuniões tanto em conferencias de jovens quanto em conferencias de adulto. Passou assim a ministrar palestras para casais e em seguida se torna um dirigente de espiritualidade; quando era ajudado por seu Irmão Antonio Denis, e sua irmã Adriana. Todos envolvidos no mesmo grupo e no mesmo desenvolvimento cristão nos trabalhos da mesma igreja.

Para 2012 havia uma programação para que o iluminado Antonio Brunno, assumisse a presidencia do Conselho Part. Jesus de Nazaré. ( O que ele não queria, achava melhor atuar na ECAFO e nas espiritualidades) mas desta obrigação, dificilmente ele se livraria, pois era o caminho.”

Chegou neste ponto, com uma bagagem especial, um grande amor aos pobres, uma espiritualidade a flor da pele e devoções que lhe renderam aquilo que mais precisava:

a) Devoto da Eucaristia – comungava quase todos os dias

b) Devoto de Maria tem pela santa uma grande confiança de onde nasce uma intimidade especial, exemplar, carinhosa e cheia de santidade.

c) Respeitosamente viveu seus 15 anos de igreja dedicando-se aos estudos bíblicos e teve um grande respeito e admiração por São Paulo e se torna ainda um grande seguidor do Papa João Paulo II podemos dizer que ele tinha uma verdadeira devoção ao Santo Papa.

Foi neste período que passa a participar da Ecafo ( Escola de Capacitação Antonio Frederico Ozanan), primeiro como aluno, em seguida passa a formar formadores. De um jeito especial e alegre, Antonio Brunno cria dinamica para escola, e esta dinamica fazia da escola um lugar de alegria e docilidade cristã, onde vicentinos de cada conferencia disputavam alegremente e de forma agradável os temas por ele escolhido. ( evidente, que Antonio Brunno não estava só, havia valiosos irmãos que lhe ajudavam inclusive seus pais e irmãos… sua família )

Neste período o jovem inicia uma nova vida, criando para si um modelo especial de vida; quando inicia um trabalho lúdico desenvolvido no hospital aldenora bello. Trabalhando criança oncológica Brunno também se apaixona por este público de onde colheu frutos de amor e maturidade cristã. Aqui, o iluminado Antonio Brunno já tinha um grande amor aos pobres, aliás um especial amor a ponto de de deleitar ao falar e ao vivenciar a vida de um pessoa carente. Voltar-se ás crianças com Câncer, foi apenas mais um milagres que aconteceu na vida do jovem.

Após dois anos de trabalho lúdico voltado as criança com câncer no HAB, o iluminado Antonio Brunno é acometido do câncer. E aquilo que parecia o fim, tornou-se o inicio de um grande legado, o inicio de um trabalho cheio de emoção e resultados.

Antonio Brunno sentiu a dor do câncer no sentimento, quando brincava com as crianças no Hospital do Câncer, e sentiu a dor do câncer na própria pele quando é acometido pela doença.”

Dois períodos distintos, distante um do outro enquanto estavam tão entrelaçados por meio de um milagre que ninguém é capaz de explicar.

1 – Primeiro do nada resolve realizar trabalhos lúdicos com crianças com câncer.

2 – De repente uma simples tosse, apenas um desconforto escondia um maldito câncer. Como explicar tamanha coincidência…

No período de sua enfermidade, o jovem adquire um título especial “ LÍDER “, este título lhe foi ortogado por alguns confrades adultos, que a partir daí era impossivel fazer uma reunião ou encontro com Brunno sem ter aquele vibrante grito de viva meu lider. “ O que agradecemos carinhosamente, ao confrade William.

Em busca de tratamento, o iluminado vai para o Hospital Geral e se interna numa ala ao que parece de carente e interioranos. Logo no primeiro dia de internação o jovem percebe que há em sua enfermaria um senhor com escáreas nas costa por conta dos tantos dias internado. Foi neste dia que ele mandou seus pais comprarem um colchão especial para o novo amigo.O intrigante é que Brunno mal chegou no hospital, já se emocionou com as dificuldades dos pobres e já inicia sua obra especial de misericódia corporais.

NO PRIMEIRO DIA DE INTERNAÇÃO ANTONIO BRUNNO INICIA SUA OBRA DE MISERICORDIA CRISTÃ.”

( Antonio Brunno se incomoda com uma situação, fica inquieto e deseja ajudar e ajudar logo.)

Precisamos ajudar e ajudar logo, onde já se viu esperar para ajudar, e se demorar, quando a ajudar chegar pode ser tarde demais.”(Antonio Brunno)

Um mês depois de sua primeira internação, o iluminado Antonio Brunno se incomoda com a situação que ele talvez não conhecia antes, por isso trabalhou logo a possibilidade de alugar uma casa para abrigar aquelas pessoas. “Pra ele era muito fácil, bastava alugar a casa” talvez não teve a preoculpação com as dificuldades, não viu impossibilidade Deus mostrou a ele apenas as possibilidades e a oportunidade de ajudar aquelas pessoas. Daí a aflição, e o imenso desejo de ajudar e ajudar logo. Não podia esperar. Brunno sofreu só com a ideia de que devíamos esperar para ajudar. Passou a fazer sua parte e de forma santa. Quiz ajudar e ajudou. Incrível. Não temos como definir o coração de Brunno, não sabemos falar da emoção que ele teve com a possibilidade de ajudar apenas.

Foi nesta fase que mais nos assustamos com Brunno, conhecíamos, era nosso filho, vivemos juntos vinte e dois anos, como não conhecer-lo, mas confesso que tudo que vivemos com ele nesta fase foi gigantemente grande, assustador, mais parecia um ser diferente, se emocionava, dava a comida dele para as outras pessoas, manda-nos comprar lanche, distribuia chocolate e bonbons, não ia para o hospital de mãos vazias….em fim, Brunno se nos apresentava de fato como alguém que possuia uma luz, era um ser iluminado.”(Antonio Lima Sousa – Pai )

Na impossibilidade de alugar a casa, o jovem deseja logo resolver o problema, e desenvolve em seu coração o desejo de levar para sua casa as pessoas. Foi quando convidou seu primeiro paciente para se hospedar em sua própria casa. Leonilson de lago verde e sua mãe D.Gorete.

Também impossibilitado de levar mais gente e apesar de ter investido nisso, passa então a desenvolver o projeto da casa de apoio que ele deu o nome casa de apoio João Paulo II.

Ocorre que neste período, a enfermidade de Antonio Brunno, cresce e nos deixa preoculpados. Enquanto nós nos preoculpávamos com Brunno, Brunno se preoculpava com os outros enfermos e nós a cada dia entendiamos menos o coração de Brunno.

Voltando-se apenas para o ato do ajudar, ele cresce e Deus é com ele de forma visível e sistemática, quanto mais a doença avançava, mais Brunno crescia no amor de Deus, e isso era uma constancia e sentia fervor no amar e no gesto de ajudar, sem se preoculpar com a doença, sem reclamar parece que queria viver no auxílio dos outros ou daqueles que ele mais amava, os pobres.

Quanto mais a enfermidade avançava, mais Brunno vivia o amor de Cristo.”

Enquanto tudo isso acontecia ele escrevia, falava e deixava claro aquilo que seria seu mais perfeito projeto.

Escrevendo tudo e falando sobre seu maior desejo, passa a projetar uma grande ferramenta no combate a tristeza e exclusão daqueles que estavam doentes e não tinham onde ficar durante o tratamento.

Debilitado fisicamente, e com o avanço da enfermidade, houve uma necessidade de buscarmos conselhos em São Paulo. Deus não permitiu que Antonio Brunno perbesse que estava ficando, debilitado, não percebeu o avanço da enfermidade.

O maior presente de Deus a Antonio Brunno, foi esconder dele o avanço da doença, Brunno nunca percebeu que estava ficando fisicamente debilitado e nunca comentou sobre seu rostinho cada vez mais redondo por conta da crueldade de um maldito câncer.”

Partindo para São Paulo, obtivemos uma resposta sobre aquela viagem:

Viajamos para aprender, pra ver como seria nosso projeto. A nós, viajamos em busca de saúde, mas ao que parece esse não era o proposito de Deus, que fez-nos viajar em busca de aprendizado. E o mais incrível: Brunno sabia perfeitamente os motivos de nossa viagem, pois o assunto pitoresco a ele nesta viagem, nunca foi exames e cura, mas Deus, sua casa de apoio e o que devíamos levar de aprendizado daquele viagem…Foi aí que nasceu minha primeira pergunta sobre Antonio Brunno:

  • Quem de fato é Antonio Brunno.

Quem era aquele jovem que nunca duvidou na cura e nunca passou por momentos de baixo acreditar. Quem foi aquele jovem que quanto mais a doença avançava mais ele acreditava, nunca duvidou e acreditou até no ultimo instante, quando na manhã de seu falecimento foi perguntado sobre como amanhacera e ele enfáticamente responde:

Muito bem, muito bem, só um pouco cançado. Duas horas depois está em óbito.

Daí a pergunta que fizemos muitas vezes a nós mesmo:

Quem é Antonio Brunno?

Partindo ainda para terras mais distante: Barretos, em busca de saúde, tivemos uma outra revelação:

Estávamos aprendendo sobre como lidar com pacientes e como administrar o projeto de Brunno.

Foi em Barretos que Brunno colocou o ponto final em seu projeto. Depois de ter vivido tudo que queria e precisava viver.

Assim, em 28.03.011, despede-se de nós deixando-nos um projeto indelével. Um projeto que certamente nos salvaria da depressão, dos maltratos e até de uma possível loucura. E o mais impressionante: Brunno parecia saber de tudo.

Não poderia, não saberíamos viver sem Brunno. Sabendo disso e inspirado por Deus, o iluminado Antonio Brunno cria um projeto de vida para os pais que a partir daqueles dias estavam fadados a viver sem sua presença física. Não obstante, mesmo depois de seu falecimento, nunca ter nos deixado nem por um momento.

Conheça as mais lindas frases de Brunno, conheça a história da

Fundação Antonio Brunno

Conheça o iluminado Antonio Brunno, leia o livro: O Donno da Alegria.

ESTA É PARTE DA HISTÓRIA DO ILUMINADO ANTONIO BRUNNO